ESG: princípios e boas práticas para a indústria

ESG: princípios e boas práticas para a indústria

Basta uma rápida pesquisa na plataforma Google Trends para perceber como o interesse pela sigla ESG cresceu de forma expressiva nos últimos anos. Um levantamento publicado pelo site Valor Econômico em fevereiro de 2022 mostrou um aumento de 150% no volume de pesquisas em um ano.

Neste artigo, você vai entender a relação desse termo com a questão da sustentabilidade, conhecerá os princípios do ESG e algumas boas práticas para alinhar a indústria brasileira a essa tendência global. Confira!

O que é ESG e como surgiu?

ESG é a sigla do termo em inglês Environmental, Social and Governance, que pode ser traduzida para o português para ASG Ambiental, Social e Governança (ASG). Utilizado pela primeira vez em um relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) em 2004, o conceito se refere a práticas organizacionais relacionadas à:

  • preocupação com o meio ambiente; 
  • proteção dos direitos humanos;
  • iniciativas anticorrupção.

Aos poucos, o ESG vem sendo adotado como um sinônimo de sustentabilidade empresarial e para definir negócios que valorizam a responsabilidade socioambiental e as melhores práticas administrativas. Um estudo feito pelo Boston Consulting Group (BCG) em 2017 mostrou que a incorporação dessas práticas aumenta a margem de valorização das empresas.

Princípios e boas práticas do ESG para a indústria

Como o próprio nome sugere, os princípios que compõem o ESG se dividem em três pilares:

Environmental (Responsabilidade ambiental)

O pilar de responsabilidade ambiental diz respeito a medidas voltadas para a sustentabilidade, como a criação de um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) e o uso consciente de recursos naturais. As práticas recomendadas nesse aspecto incluem:

Social (Responsabilidade social)

O pilar social se concentra em ações que considerem as necessidades de geração de valor para todos os stakeholders. Isso quer dizer que, além do resultado financeiro para os acionistas, a empresa deve buscar um impacto positivo para a sociedade em geral com:

  • iniciativas de diversidade e inclusão;
  • auxílio a programas de educação;
  • respeito aos direitos humanos;
  • apoio à comunidade local.

Governance (Governança Corporativa)

O pilar de governança se refere às ações internas para assegurar o cumprimento da legislação vigente, como a defesa da transparência fiscal e a gestão de riscos. As empresas devem estabelecer normas de conduta que dêem sustentação para o funcionamento dos outros pilares, como:

  • políticas de combate a corrupção, assédio e discriminação;
  • processos transparentes na relação com os parceiros de negócios;
  • remuneração justa e racional aos colaboradores.

Como vimos ao longo deste artigo, o ESG passou a ter um peso significativo na avaliação da empresa frente ao mercado. Mas vale destacar que o consumidor também está atento às ações da sua empresa em termos de sustentabilidade.

Para saber mais sobre o assunto, continue conosco e veja como as ações de marketing verde fortalecem a imagem da sua marca.

Marketing verde: como ações ecológicas favorecem sua empresa

Marketing verde: como ações ecológicas favorecem sua empresa

A edição de 2021 da pesquisa global FATitudes incluir link da pesquisa, da fabricante de produtos agrícolas e alimentícios Cargill, mostra que 55% dos consumidores estão mais propensos a comprar um alimento embalado quando identificam ações de responsabilidade ambiental. Dados como esse fortalecem o chamado marketing verde, que se concentra em ações pautadas pela sustentabilidade.

Neste artigo, você vai entender melhor os princípios desse conceito, os benefícios dele para sua empresa e como começar a implementá-lo. Confira! 

O que é marketing verde?

O marketing verde é uma estratégia de marketing que destaca a postura da empresa em relação ao meio ambiente. Também conhecido como marketing ambiental e ecomarketing, ele propaga mensagens de consciência ecológica e procura mostrar o impacto delas nos produtos e nos métodos de produção. 

Obviamente, a preocupação com o meio-ambiente não deve estar apenas no discurso. Ela precisa estar no dia a dia da empresa por meio da aplicação dos seguintes princípios:

  • ser ecologicamente correta;
  • ser ecologicamente viável;
  • ser socialmente justa;
  • ser culturalmente aceita.

Benefícios do marketing verde para sua empresa

O principal benefício do marketing verde é para a imagem da marca frente aos consumidores que esperam atitudes sustentáveis por parte das organizações. Também vale destacar que o investimento em práticas ecologicamente corretas na produção pode ser revertido em redução de custos a longo prazo. 

Além disso, o Global Sustainability Study 2021, publicado pela empresa de consultoria Simon-Kucher, identificou que 34% da população está disposta a pagar mais por um produto ou serviço sustentável. Isso significa que é possível adotar um modelo de negócio baseado na economia circular, que concilia a busca pelo lucro e o cuidado com o meio-ambiente.

Como implementar ações de marketing verde?

Como mencionamos anteriormente, o marketing verde deve se pautar em ações efetivas e não ficar apenas no discurso. Por isso, sua implementação passa pela adoção de práticas como:

  • investir em reciclagem e reaproveitamento de resíduos;
  • elaborar métodos que permitam reduzir o volume de água utilizado na produção;
  • reduzir ou eliminar o uso de materiais que não sejam biodegradáveis;
  • prezar pelo tratamento e pela destinação correta de efluentes industriais.

Essas ações também são fundamentais para assegurar o alinhamento aos padrões de produção exigidos pela legislação sobre tratamento de efluentes. Contudo, muitas empresas demoram a se adaptar e perdem oportunidades de negócios por conta da dificuldade para lidar com questões técnicas e burocráticas. 

Uma possível solução para isso é terceirizar o tratamento de efluentes industriais para parceiros especializados. A Okena oferece soluções personalizadas para tratamento de efluentes industriais, auxiliando nos processos de coleta, tratamento e descarte em todo o estado de São Paulo. 

Além disso, oferecemos todo o apoio para que nossos parceiros atuem de acordo com a legislação e as normas técnicas vigentes. Nossa preocupação com a proteção do meio-ambiente nos coloca entre as empresas certificadas pelo Sistema B Brasil, um reconhecimento a modelos de negócio que conciliam a busca pelo lucro com o desempenho socioambiental.

Saiba como a Okena pode ajudar sua empresa com tratamentos onsite e offsite e fortaleça o compromisso da sua marca com a sustentabilidade!

Água de reuso e o tratamento de efluentes

Água de reuso e o tratamento de efluentes

Neste artigo vamos falar sobre como a água de reuso e o tratamento de efluentes estão interligados.

A água de reuso é aquela que já passou por algum processo e após o tratamento específico em estações adequadas, pode ser direcionada para diversas finalidades não potáveis. Como por exemplo: esgoto sanitário ou efluentes industriais, evitando assim que grandes volumes sejam lançados no meio ambiente.

Mesmo que o Brasil seja um país abundante em água, as perdas provindas de diversos setores da sociedade são imensamente expressivas, ainda mais quando levamos em consideração a pouca quantidade de água que é devidamente tratada e destinada ao reuso.

A Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT tem normas técnicas publicadas sobre a legislação e normatização do reuso da água.

A EXPANSÃO URBANA

A expansão urbana é um dos fatores que impactam consideravelmente na escassez da água. Por isso, é necessário a adoção de ações que estimulem um consumo consciente desse bem tão importante para a humanidade.

Em contrapartida, cabe às autoridades responsáveis a melhoria dos índices de coleta e tratamento de esgotos, por meio de tecnologias que reduzam seu potencial de contaminação.

Assim, esta água devidamente tratada pode ter diversos tipos de reuso. Com isso, parte da água potável usada em alguns processos pode ser substituída pela água tratada, o que ajuda a preservar os recursos hídricos naturais disponíveis para fins de potabilidade, como consumo direto humano e animal.

O USO INDUSTRIAL DA ÁGUA

Ainda que seja de extrema importância o consumo consciente, é inegável o papel da indústria nesse desperdício. Só ela é responsável por 22% do consumo da água, e o setor agrícola utiliza 70%, enquanto o uso doméstico é de 8%.

Como nas indústrias nem sempre a potabilidade da água é um fator determinante, a reciclagem deste recurso, por meio do tratamento de efluentes, é uma alternativa que deve ser aplicada em lavagem de reatores e tanques móveis, torres de resfriamento, caldeiras, lavagem de maquinário e de pátios, entre outros.

OS IMPACTOS POSITIVOS DA ÁGUA DE REUSO

Você sabia que a gestão dos recursos hídricos é essencial para o bom funcionamento de uma empresa?

Hoje, com as grandes demandas de produção e constante avanço tecnológico, é imprescindível pensar na melhor forma de reaproveitar este recurso tão importante sempre que possível. E a prática de reutilizar a água traz impactos muito positivos para a indústria, sociedade e meio ambiente.

Com a reutilização da água gera-se economia em várias etapas dos processos industriais, uma vez que o consumo de água tratada pelas companhias de saneamento tem um valor mais elevado.

Esta economia acaba por gerar a seguinte reação em cadeia: a água tratada, que antes era despejada nos rios in natura, volta para o ciclo de produção, mesmo que agora tenha algumas limitações para seu reuso; diminui a necessidade de captação de água, pois já possui o suficiente para o consumo produtivo e por sua vez, a indústria colabora para a manutenção das reservas naturais, aumentando a parcela do recurso para o consumo doméstico.

ECONOMIA CIRCULAR PARA EFLUENTES INDUSTRIAIS

A Okena acredita que existe muita riqueza nos resíduos e efluentes industriais.

Somos uma empresa especializada no tratamento de efluentes e presente no mercado há mais de 10 anos. Atuamos em quatro linhas de tratamento como o físico-químico de efluentes industriais. Atendemos empresas de vários segmentos como indústria têxtil, cosméticos, transporte e logística e vários outros.

Fazemos parte de um grupo certificado e qualificado para encontrar as melhores soluções para sua empresa identificar oportunidades de beneficiamento dos resíduos industriais e buscar a forma mais sustentável de reintroduzi-los em outras cadeias produtivas.

Quer saber mais? Clique aqui e conheça a Okena!

Efluentes: o que são e quais os tratamentos

Efluentes: o que são e quais os tratamentos

Efluentes: o que são e quais os tratamentos?
Antes de sabermos quais os principais tratamentos de efluentes, vamos entender o que são os efluentes?

Os efluentes são resíduos aquosos de origens residenciais ou industriais e que precisam de tratamentos específicos, pois podem conter elementos potencialmente poluidores e até mesmo danosos ao meio ambiente como diversos tipos de óleo, metais pesados, entre outros.

Os tratamentos se fazem necessários, afinal garantem o seu retorno ao meio ambiente de forma segura e algumas vezes reutilizável.

Logo o descarte ilegal desses efluentes pode causar prejuízos às empresas, como por exemplo a Duratex que foi interditada por lançar resíduos em locais inapropriados.

Efluentes: quais os tratamentos? 

Os tratamentos dos efluentes devem ser realizados por empresas qualificadas e vigilantes do cumprimento das leis ambientais.

Antes de mais nada, necessitam conhecer as diretrizes sobre o manejo de efluentes. O órgão que estabelece os procedimentos é o Conselho Nacional do Meio Ambiente, CONAMA.

O qual definiu, por meio da Resolução n º 357, de 17 de março de 2005, condições e padrões de referência para os efluentes.

Além disso, as empresas devem ser certificadas com todas as licenças necessárias para este tipo de serviço. Só assim, poderão garantir o transporte, tratamento e despejo dos resíduos de forma responsável e dentro dos parâmetros da lei.

Na Okena os tratamentos são divididos de acordo com o tipo de efluente que as empresas podem gerar.

Tratamento físico-químico de efluentes industriais: como é feito? 

Os tratamentos físico-químicos separam as partículas sólidas dos efluentes por meio de processos mecânicos como: filtração, sedimentação, peneiração, entre outros. Ou químicos como oxidação e redução, a troca iônica e a clarificação.

Na Okena, quando o material bruto é recebido, uma amostra é retirada para análise e posteriormente direcionada para uma das quatro linhas de tratamento, sendo elas:

  • Emulsão oleosa
  • Efluentes ácidos
  • Tintas, neutros e efluentes de gráficas
  • Casos especiais

Tratamento biológico de efluentes industriais

Muitos efluentes apresentam grandes volumes de matéria orgânica em sua composição. Para a remoção, é imprescindível neutralizar os resíduos por meio de processos biológicos que fazem a sua decomposição.

Dessa forma, os tratamentos podem ocorrer de duas maneiras:

Tratamento biológico aeróbio: 

Destinado às bactérias que precisam de oxigenação constante. O processo é realizado com o efluente biodegradável em condições controladas de temperatura, pH, OD (oxigênio dissolvido) e DBO (Demanda Biológica de Oxigênio).

o Tratamento biológico anaeróbio: 

É voltado para as bactérias que não precisam de oxigênio para realizar a degradação da matéria orgânica. Neste caso, a emissão de gases é controlada devido ao mau cheiro durante o processo.

A estrutura de tratamento biológico da Okena tem capacidade para tratar 15 mil m³ por mês. Ou seja, aproximadamente 15 milhões de litros são mensalmente tratados e destinados com segurança.

Okena

Estamos presentes no mercado há mais de 10 anos e somos especialistas no tratamento de efluentes das mais diversas naturezas e complexidades.

Como uma empresa B certificada, prezamos pelo bem-estar dos nossos colaboradores, comunidade e do planeta igualmente. Por isso, investimos constantemente em segurança, infraestrutura, capacitação técnica, melhorias de processos e acima de tudo em metodologias de tratamento para oferecer soluções completas e economicamente viáveis aos nossos clientes.

Fale com a gente! Saiba como podemos ajudar a sua empresa com a melhor solução para os tratamentos de efluentes.

Resíduos da construção civil: como fazer o tratamento?

Resíduos da construção civil: como fazer o tratamento?

A construção civil é um dos setores industriais mais importantes para a economia do país. As suas diversas atividades a faz responsável pela produção de grandes quantidades de resíduos sólidos e líquidos. Com isso, é preciso fazer o tratamento desses resíduos da construção civil para evitar impactos prejudiciais ao meio ambiente.

Em outras palavras, é essencial compreender os tipos de resíduos provenientes da construção civil para evitar os descartes incorretos.

Quais são os resíduos industriais da construção civil?

Os resíduos industriais da construção civil são todos aqueles que provém das construções, reformas, demolições, reparos ou preparações de terrenos. Portanto, existem dois tipos de resíduos classificados como sólidos (tijolos, blocos, concretos, madeiras, entulho, entre outros.) e os líquidos (graxas, óleos, efluentes sanitários, etc).

De acordo com a resolução: 307/2002 do CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente), que estabelece diretrizes para a gestão dos resíduos da construção civil. Eles são separados da seguinte forma:

  • A: reutilizáveis ou recicláveis de construções e reformas, terraplanagem, componentes cerâmicos, demolição de peças pré-moldadas produzidas e outros;
  • B: recicláveis destinados a aplicações em plásticos, papel/papelão, metais, vidros, madeiras, etc;
  • C: materiais que ainda não foram desenvolvidas tecnologias para reciclagem ou recuperação, por exemplo, o gesso;
  • D: perigosos, tais como: tintas, solventes, óleos e materiais industriais ou contaminados oriundos de clínicas radiológicas.

Os efluentes líquidos possuem substâncias que podem contaminar o solo e requerem atenção especial em seu tratamento e descarte.

Como deve ser feito o tratamento de resíduos industriais?

Contudo, é fundamental encaminhar as sobras dos resíduos líquidos perigosos para empresas especializadas. Por exemplo, no caso das substâncias contamináveis como os óleos e solventes, precisam ser acumulados e destinados a um tratamento específico.

Já os efluentes líquidos industriais, como por exemplo os dos sanitários gerados nas obras, precisam de coleta e separação diferenciadas dos domésticos.

O mesmo acontece com os efluentes derivados do petróleo. Que precisam de um tratamento diferenciado.

Afinal, eles passam por uma caixa de areia e pela retenção de óleos. Em seguida, é separado, armazenado e reciclado de acordo com sua especificação.

Um alerta para as empresas que realizam o tratamento dos resíduos! Pois, devem seguir as fiscalizações locais, bem como as normas e regras estipuladas para a proteção do meio ambiente.

Como a OKENA pode ajudar?

Somos uma empresa especializada no tratamento de efluentes. Atuamos em quatro linhas de tratamento como o físico-químico de efluentes industriais. Atendemos empresas de vários segmentos como indústria têxtil, cosméticos, transporte e logística, além é claro, da construção civil.

A Okena é uma empresa B certificada que zela pelo bem-estar das pessoas e do planeta.

Quer saber mais sobre o tratamento de resíduos da construção civil? Fale com um dos nossos representantes da Okena!

Os riscos do lançamento ilegal de efluentes

Os riscos do lançamento ilegal de efluentes

Os riscos do lançamento ilegal de efluentes

Os efluentes industriais são os resíduos gerados por empresas e que não são aproveitados. O lançamento deles em sua forma liquida ou sólida sem o devido é prejudicial à saúde e também ao meio ambiente, portanto devem ser tratados e descartados corretamente.

A contaminação das águas afeta o desenvolvimento de todo o ecossistema. Primordialmente, a ação é criminosa. As leis existem e estão cada vez mais rigorosas.

Quais são os riscos para o meio ambiente?

O lançamento ilegal de efluentes em rios desequilibra gravemente o ecossistema. Além disso, afeta de forma prejudicial todos os seres que ficam expostos a essa toxidade e precisam lidar com o surgimento de novas doenças.

A quantidade de efluentes industriais lançados ilegalmente ainda é menor do que os domésticos, todavia seus efeitos são prejudiciais. Dessa forma, o impacto é comprometedor à saúde humana. Estudos apontam que diariamente os efluentes lançados ilegalmente são equivalentes a dois Ibirapueras cheios em São Paulo.

Multas pelo lançamento ilegal 

Para algumas empresas o lançamento ilegal de efluentes não causa grandes perdas financeiras. Contudo, no Brasil multas já foram aplicadas. Por exemplo, o CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente), dispõe de condições e padrões de lançamento de efluentes nas águas. Outros órgãos também realizam a fiscalização.

Outro exemplo, foi o Ibama que multou a Prefeitura de Ilhabela em R $ 2,5 milhões, após o lançamento ilegal de efluentes na praia. O Departamento de Água e Esgoto (DAE) multou uma empresa de Santa Bárbara D’Oeste, pelo lançamento ilegal de resíduos in natura.

Como é feito o tratamento correto dos efluentes? 

Além de benéfico ao meio ambiente, o tratamento correto de efluentes representa uma solução econômica às empresas.

Atuando no mercado há mais de 10 anos, a Okena é especialista no tratamento físico-químico e biológico de efluentes industriais das mais diversas naturezas e complexidades. Ou seja, coletamos, tratamos, destinamos e promovemos o tratamento de forma legal.

Dessa forma o tratamento biológico conta com os serviços de Tratamento biológico aeróbio e Tratamento biológico anaeróbio. Já o tratamento físico-químico conta com quatro linhas de atuação. Saiba mais aqui!

Assim, investimos constantemente em segurança, infraestrutura, capacitação técnica, melhorias de processos e metodologias de tratamento para oferecer soluções completas e economicamente viáveis ​​aos nossos clientes.

Somos uma empresa B certificada e zelamos pelo bem-estar das pessoas e do planeta.

Tem alguma dúvida sobre o descarte correto de efluentes? Fale com a Okena! Clique aqui e entre em contato com um de nossos representantes.