A água é um recurso essencial na fabricação de medicamentos, seja como parte das formulações ou para as atividades de limpeza. Em função dos riscos do descarte inadequado desse material para o meio ambiente e a saúde humana, os processos de tratamento de efluentes na indústria farmacêutica demandam cuidados especiais.

Neste artigo, você vai saber mais sobre os tipos de resíduos resultantes do fluxo de produção, as modalidades de tratamento mais utilizadas e como as empresas podem se preparar para uma gestão eficiente dos recursos hídricos. Confira!   

Tipos de resíduos gerados na indústria farmacêutica

Geralmente, os efluentes líquidos gerados pela indústria farmacêutica se dividem em:

  • água utilizada para lavagem das linhas de produção;
  • resíduos da produção;
  • sobras de substâncias que são removidas de equipamentos.

Os elementos presentes nesses materiais são classificados como poluentes emergentes ou contaminantes emergentes. Entre eles, podemos citar:

  • antibióticos;
  • analgésicos;
  • anti-inflamatórios;
  • contraceptivos;
  • contrastes de exames radiológicos;
  • psicotrópicos.

As características físico-químicas desses contaminantes podem causar impactos distintos quando o descarte é feito de forma inadequada. No caso dos antibióticos, por exemplo, o efluente descartado sem a desativação do princípio ativo pode favorecer o desenvolvimento de bactérias mais resistentes aos medicamentos. 

Inclusive, esse fenômeno já havia sido previsto por Alexander Fleming, médico britânico que descobriu a penicilina e recebeu o Prêmio Nobel em 1945. De fato, um estudo feito pela revista científica The Lancet mostrou que, só em 2019, 1,2 milhão de pessoas morreram após serem infectadas por superbactérias.

Ao interagir com outros componentes do ecossistema, como o solo e o lençol freático, o material contaminado também afeta a qualidade da água potável consumida por seres humanos, animais e vegetais. Portanto, os danos causados pelos efluentes da indústria farmacêutica podem atingir proporções incalculáveis. 

Como é o tratamento de efluentes na indústria farmacêutica?

Basicamente, o tratamento de efluentes na indústria farmacêutica pode ocorrer por dois tipos de processos: 

Tratamento físico-químico

O tratamento físico-químico retira os poluentes presentes nos resíduos inorgânicos por meio da adição de produtos químicos. Além disso, a aplicação de métodos como filtração, sedimentação, coagulação e flotação permite remover resíduos sólidos presentes nos efluentes.

Tratamento biológico aeróbio

O tratamento biológico aeróbio é uma solução para tratar efluentes biodegradáveis. Esse processo precisa ser realizado em temperaturas específicas e os níveis de pH e oxigênio dissolvido (OD) devem ser controlados.

Como sua empresa pode otimizar o tratamento de efluentes farmacêuticos?

Devido à dificuldade de atender à legislação sobre tratamento de efluentes e manter uma estrutura alinhada aos parâmetros técnicos e burocráticos, muitas empresas optam por terceirizar as atividades de coleta, tratamento e destinação de efluentes.

Por isso, a Okena oferece soluções personalizadas para o tratamento de efluentes na indústria farmacêutica e obedece aos mais rigorosos padrões de qualidade. Nossa planta conta com o certificado de Empresa B, que atesta a aplicação das melhores práticas de proteção ambiental.

Localizada em Itapevi-SP, a Okena atende parceiros em toda a região metropolitana, no interior e no litoral do estado. Nosso time de especialistas presta suporte completo e agiliza a emissão de documentos obrigatórios, como o MTR e CADRI.

Quer saber mais? Conheça as soluções da Okena e otimize a gestão de efluentes na sua empresa!