A poluição sedimentar das águas é causada pelo acúmulo de sedimentos na superfície de rios, lagos e praias. Esse material pode ter origem na própria erosão do solo ou ser resultado do desmatamento, do acúmulo de lixo e do despejo de produtos químicos.

Neste artigo, você vai entender os impactos desses agentes poluidores e como evitar danos ambientais. Confira!

Como a poluição sedimentar afeta o meio ambiente?

Nas grandes cidades, boa parte das substâncias responsáveis pela poluição sedimentar é depositada em corpos hídricos, o que reduz a disponibilidade de água potável.

Os resíduos tóxicos despejados de forma irregular por indústrias causam doenças como hepatite, infecção gástrica e cólera, além de serem associados ao câncer e até a mutações genéticas.  

Mas os prejuízos vão além da saúde humana. A água contaminada com substâncias tóxicas e metais pesados destrói a vida aquática e é capaz de afetar um ecossistema inteiro, pois também impacta o solo e as plantas que se alimentam dos nutrientes presentes nele.

Não por acaso, um dos principais componentes da legislação sobre tratamento de efluentes é a Lei de Águas. Promulgada em 1997, ela estabeleceu a criação da Política Nacional de Recursos Hídricos, que reconhece a água como recurso de domínio público e institui uma série de medidas sobre sua utilização.

Como evitar os impactos da poluição sedimentar?

Atentas à demanda do consumidor e às novas exigências de governos e investidores, as indústrias têm investido em maneiras de reduzir o impacto ambiental de suas atividades.

Seguindo o conceito de Economia Circular, as organizações procuram estabelecer modelos de negócio capazes de conciliar o aumento da produtividade com os cuidados em relação ao meio ambiente. 

Veja 3 passos essenciais para evitar a poluição sedimentar na sua empresa:

1. Criar um Sistema de Gestão Ambiental

O Sistema de Gestão Ambiental (SGA) é uma metodologia que se baseia nos requisitos da norma ISO 14.001 para controlar os impactos ambientais da produção. Dessa forma, cria-se um ciclo de melhoria contínua alinhado aos padrões internacionais de qualidade para promover o bom uso de recursos naturais.

A implementação do SGA está relacionada a um termo que se tornou muito relevante nos últimos anos: o Environmental, Social and Governance (ESG). A sigla é entendida como sinônimo de sustentabilidade empresarial e se refere a um conjunto de boas práticas administrativas que interferem no valor das empresas frente ao mercado.  

2. Seguir as normas técnicas vigentes

Uma das premissas do SGA é possibilitar que as empresas sigam à risca as normas técnicas para o tratamento de efluentes industriais. Também deve existir um controle rígido dos documentos obrigatórios nas atividades de coleta, armazenamento e transporte de resíduos.

3. Terceirizar o tratamento de efluentes

Evidentemente, muitas indústrias têm dificuldades para implementar essas ações de controle por conta própria, especialmente pelos custos de manter uma estrutura adequada e estabelecer processos específicos. Nesse cenário, contar com o apoio de parceiros especializados é uma boa alternativa.

Quer saber mais? Conheça as vantagens de terceirizar o tratamento de efluentes na indústria e veja como obter soluções personalizadas para sua empresa!